AMIGOS DO BLOG VEJA E SINTA SEJA UM MEMBRO

18 de abr de 2014

GUERRA ESPIRITUAL- PARTE 1
















Guerra espiritual - parte 1

"Perceberemos que o nosso confronto com as forças das trevas não se dá apenas ao nível rasteiro da possessão ou influência sobre indivíduos, mas chega a envolver nações e grandes áreas de poder"

PRECISEI PUBLICAR ESTE ESTUDO AQUI PARA QUE SEJA LIDO POR MAIOR NÚMERO DE PESSOAS ,COMPARTILHEM PARA QUE A IGREJA DE DEUS QUE SOMOS NÓS ASSUMA SUA POSIÇÃO CORRETA NESTA GUERRA ,CONHECENDO NOSSOS INIMIGOS !@ANDREIAJESUS


Vamos investigar a Palavra em relação ao tema “guerra espiritual”. Perceberemos que o nosso confronto com as forças das trevas não se dá apenas ao nível rasteiro da possessão ou influência sobre indivíduos, mas chega a envolver nações e grandes áreas de poder. Este assunto tem tomado vulto especial na nossa geração. Alguns o têm como mais um modismo e afirmam que muitas das ênfases atuais não são encontradas em gerações passadas da Igreja. No entanto, esta não é uma leitura correta dos fatos. Se é verdade que hoje exploramos com muito maior profundidade o tema, é verdade também que em todas as épocas crentes praticaram e falaram sobre confronto com o reino das trevas. Basta dar uma olhada nos velhos hinários e perceber que, na luz que tinham, os antigos cristãos visualizavam um inimigo a ser vencido e tinham consciência das armas espirituais. Eis um exemplo no clássico de Martinho Lutero, Castelo Forte: “Castelo Forte é nosso Deus, Espada e Bom Escudo. Com seu poder defende os seus em todo transe agudo... Sim, que a Palavra ficará sabemos com certeza e nada nos afligirá com Cristo por defesa. Com fúria pertinaz, persegue Satanás com artimanhas tais e astúcias tão cruéis que iguais não há na terra...” Se uma letra como esta não indicar consciência de guerra espiritual, então o que mais poderá indicar?

O texto de Efésios 6:10-20 é talvez a maior fonte de revelação bíblica sobre esse assunto. Nele, Paulo demonstra com muita destreza a realidade da guerra e a necessidade de que a Igreja se envolva profundamente nela, mas com conhecimento de causa e armas apropriadas. É deste texto que vamos partir para um estudo esclarecedor do que as Escrituras nos dizem sobre o assunto.

UMA REALIDADE DA QUAL NÃO PODEMOS FUGIR
A guerra espiritual não é um ministério de alguns crentes ou uma escolha que podemos ou não fazer. Nós estamos nela e não há como escapar! Paulo diz: “Não temos que lutar contra carne e sangue, mas sim contra principados, potestades, dominadores deste mundo tenebroso, hostes espirituais da maldade...” (Ef 6:12a). Ele está afirmando que temos que lutar contra o reino das trevas em todas as suas manifestações. Não é uma opção, é uma necessidade!

1. UMA GUERRA QUE COMEÇOU NO CÉU – Houve um momento da História Eterna em que uma rebelião aconteceu no céu, antes mesmo que o homem fosse criado. Um querubim chamado Lúcifer se rebelou contra Deus e seduziu um terço do anjos ao mesmo pecado. Embora esteja envolvida em muitos mistérios, esta verdade está exposta em textos bíblicos como Ez 28:11-19; Is 14:12-20 e Ap 12:3,4, que precisam ser entendidos na sua linguagem figurada e profética. Não é nosso objetivo aqui estudar profundamente a queda de Lúcifer (que se transformou em Satanás) e dos seus anjos, mas demonstrar que o império das trevas faz oposição ao Reino de Deus antes mesmo que Adão fosse criado, e que o ser humano, de uma forma ou de outra, está envolvido por esta guerra.
2. A IGREJA TEM A MISSÃO DE GOVERNAR NO ÂMBITO DA TERRA – Desde o Éden o Senhor manifestou o propósito de estabelecer o homem como representante legal da sua autoridade sobre a Terra. Pelo pecado, Adão deixou que Satanás lhe usurpasse esse direito e, por isso, ele tem estabelecido caos no planeta, geração após geração. Entretanto, o homem Jesus derrotou Satanás e todos os seus comandados na cruz (Cl 2:15). Ali foi restabelecida a autoridade do homem, especificamente daqueles que se identificam com Cristo em sua morte, os crentes nascidos de novo.Entre os muitos propósitos para os quais Deus levantou a Igreja, está a missão de confrontar o império das trevas e conquistar o espaço que ele usurpou, libertando os homens da sua tirania. Paulo diz que “a multiforme sabedoria de Deus precisa ser conhecida agora, dos principados e potestades nos lugares celestiais” (Ef 3:10). Esta sabedoria já foi sacramentada por Cristo, mas o propósito eterno de Deus é que ela seja manifestada pelo seu povo (Ef 3:11). Portanto, a Igreja tem uma vocação dada pelo seu Senhor de fazer valer a vitória de Cristo diante do reino das trevas e, embora haja crentes que tentam viver na covardia, como refugiados sem uma causa a defender, nosso papel é assumir a posição de guerreiros do Senhor e lutar. É à medida que avançamos na guerra que podemos tornar prática a realidade de reinar com Cristo, não só na eternidade, mas agora, como indicam as Escrituras: “Porque, se pela ofensa de um só, a morte veio a reinar por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo” (Rm 5:17).
CONHECENDO O CARÁTER DA GUERRA
O mundo é como um território tomado por demônios, que mantém os homens como reféns e escravos. Para libertá-los (conforme o propósito de Deus) precisamos vencer a guerra espiritual, reconquistando para o Reino de Deus os espaços que Satanás usurpou. Entretanto, esta é uma tarefa complexa. Paulo fala do caráter traiçoeiro do inimigo ao advertir sobre “as astutas ciladas do diabo” (Ef 6:11). Não é à toa a repetitiva ordem da Palavra: “Vigiai”. Há sempre campos minados e armadilhas preparadas contra nós, além de uma grande quantidade de espíritos com armas sujas, para nos impedirem de retomar o domínio para o nosso Deus.

1. A GUERRA É ESPIRITUAL E NÃO NATURAL – Paulo diz que temos que lutar “nos lugares celestiais” (Ef 6:12b). Esta expressão pode soar estranha, mas traz para nós uma grande revelação. Os lugares celestiais se referem a uma dimensão espiritual e não material. Isso quer dizer que, para confrontar o império das trevas, temos que possuir conhecimento espiritual (revelação), discernimento espiritual e armas espirituais. Não conseguimos vitória nesta guerra a partir de recursos humanos (como influência, inteligência, força física, política, etc...). Embora Deus possa usar esses recursos, não é deles que depende o nosso êxito na guerra contra Satanás.

2. ESTAMOS NUMA POSIÇÃO DE SUPERIORIDADE – A Igreja do Senhor está revestida de poder e possui armas espirituais inigualáveis. Sua posição é de superioridade em relação ao reino das trevas. Segundo a Bíblia, após ressuscitar, Cristo "assentou-se à direita do Pai nas regiões celestiais, acima de todo principado, e potestade, e poder, e domínio e de todo nome que se possa referir não só no presente século, mas também no vindouro” (Ef 1:20,21). Esta é a sua posição de completa autoridade. Mas a Bíblia também diz que Deus “nos ressuscitou juntamente com Ele, e com Ele nos fez sentar nas regiões celestes em Cristo Jesus” (Ef 2:6). Portanto, nos estamos também numa posição de superioridade em relação a Satanás e seu império. Temos que aprender a tratar com ele de cima para baixo, como quem está em vantagem. Nossas armas são poderosas em Deus (II Co 10:4), temos os anjos ao nosso serviço (Hb 1:13,14) em quantidade dobrada (somente um terço rebelou-se com Lúcifer) e uma autoridade diante da qual os demônios tremem: o nome de Jesus.

3. A GUERRA É UMA SUCESSÃO DE BATALHAS E ESTRATÉGIAS – A guerra espiritual acontece todo o tempo e cessará no último dia, quando Satanás e seus seguidores serão lançados no lago de fogo eternamente (Ap 20:10). Enquanto isto não ocorrer, a guerra persistirá. Entretanto, uma guerra é feita através de uma sucessão de batalhas. Temos períodos de menor confronto espiritual e períodos de grande confronto. Paulo aconselha-nos: “Tomai toda a armadura de Deus para que possais resistir no dia mal, e havendo vencido tudo, permanecer firmes” (Ef 6:13). Entenda “dia mau” aqui como tempo de fortes confrontos espirituais, quando precisamos de vigilância redobrada e de grande esforço para fazer prevalecer o Reino de Deus.

Há ocasiões em que a atitude da Igreja é uma atitude de vigilância para apenas preservar o espaço conquistado. Isso pode acontecer em todos os níveis (pessoal, familiar, congregacional, a igreja numa localidade ou nação, etc...). Em outras ocasiões, somos atacados pelo inimigo e temos que nos defender com esforço. Em outras situações, estaremos avançando como Reino de Deus e teremos que provocar batalhas, anulando posições em que os demônios mantêm controle.
4. O PODER DA RESISTÊNCIA – O reino das trevas não consegue nos atacar ou impedir indefinidamente. Sua munição e força são limitadas. Por isso Paulo diz que, se atacados, devemos resistir até que passe o “dia mau” (e ele passará). Tiago assegura: “Sujeitai-vos, pois, a Deus; mas resisti ao diabo, e ele fugirá de vós” (Tg 4:7). Isso deve nos levar a entender que um dos segredos para a vitória é a perseverança. Sem ela, podemos sucumbir diante de ataques adversos ou desistir de conquistas possíveis.

OS VÁRIOS NÍVEIS DA GUERRA ESPIRITUAL
Há uma impressionante organização hierárquica no exército inimigo. Paulo afirma que temos que combater em vários níveis: “contra os principados, contra as potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as hostes espirituais da maldade nas regiões celestes” (Ef 6:12). Poderíamos dizer que nossa missão não é apenas anular “soldados rasos” sem muito poder de fogo, mas capturar poderosos comandantes do mal no mundo espiritual.

Certa vez os discípulos de Jesus foram por Ele enviados e, depois de algum tempo, voltaram cheios de entusiasmo dizendo: “Senhor, pelo teu nome, até os demônios se nos submetem! Disse-lhes Jesus: Eu via Satanás, como um raio, caindo do céu. Eis que vos dei autoridade para pisardes serpentes e escorpiões e toda força do inimigo, e nada vos fará dano algum” (Lc 10:17-19). O que Jesus está afirmando é que temos poder, não apenas para dominar espíritos rastejadores, demônios de menor escalão, mas para vencer qualquer nível de poder maligno, inclusive abalar Satanás, o maioral dos demônios.

Paulo citou quatro níveis ou hierarquias de poderemos malignos. A Igreja deve atuar não apenas nos níveis mais baixos, como acontece com a libertação de indivíduos, mas nos níveis superiores, que envolvem guerra espiritual por territórios e nações. Vamos procurar entender cada um dos termos usados pelo apóstolo:

1. PRINCIPADOS – Paulo expõe a hierarquia demoníaca em ordem decrescente de poder neste texto bíblico. O nível mais elevado citado é o dos principados. São espíritos malignos de grande poder, verdadeiros governadores das trevas, responsáveis por comandar as forças do mal sobre nações ou grandes áreas geográficas. O termo grego no original (“arché”) traz o sentido de começo, origem, causa ativa, pessoa ou coisa que começa algo. Isso nos faz pensar que os principados são comandantes sobre os demais demônios numa determinada nação ou grande área e estão sob comando direto de Satanás.

Temos uma clara visão sobre o assunto quando estudamos o capítulo 10 de Daniel. O profeta estava orando e jejuando por uma causa havia vinte e um dias, quando um anjo do Senhor lhe chegou com a resposta. Suas palavras são reveladoras: “Não temas, Daniel, porque, desde o primeiro dia em que aplicaste o coração a compreender e a humilhar-te perante o teu Deus, foram ouvidas as tuas palavras; e, por causa das tuas palavras, é que eu vim. Mas o príncipe do reino da Pérsia me resistiu por vinte e um dias; porém Miguel, um dos primeiros príncipes, veio para ajudar-me, e eu obtive vitória sobre os reis da Pérsia. Agora, vim para fazer-te entender o que há de suceder ao teu povo nos últimos dias; porque a visão se refere a dias ainda distantes” (Dn 10:12-14). Perceba que este “príncipe da Pérsia” não poderia ser um homem, uma vez que teve o poder de deter um anjo de Deus por vinte e um dias! Tratava-se, na verdade, de um governador espiritual, um espírito maligno de grande poder que comandava o plano satânico na Pérsia. Isto nos leva a entender que há principados sobre as diversas nações, que precisam ser discernidos e confrontados pela Igreja. O mesmo anjo que falou a Daniel, referiu-se ao “príncipe da Grécia” (Dn 10:20), confirmando esta idéia de governadores territoriais que envolve os principados.

2. POTESTADES – As potestades (“exousia” no grego), são espíritos investidos de grande poder para coordenarem as ações do mal em relação a um assunto específico. Enquanto principados dominam áreas geográficas ou territoriais, potestades comandam determinados tipos de ação. Por exemplo, uma potestade de violência comandaria grandes quantidades de espíritos malignos na fomentação da violência em um lugar. Potestades de perversão sexual fariam o mesmo em relação à imoralidade e assim por diante.

3. DOMINADORES DO MUNDO TENEBROSO – Imaginamos que os “dominadores do mundo tenebroso” a que Paulo se refere sejam demônios envolvidos diretamente com missões entre os homens, espíritos que obedecem a comandos de potestades e têm sob sua ordem outros subordinados malignos.
4. HOSTES ESPIRITUAIS DA MALDADE – As “hostes espirituais da maldade” são os espíritos que perturbam e dominam a vida de muitos homens. Jesus os chamava de “espíritos imundos” (Mt 12:43), talvez pelo seu caráter rasteiro. É provavelmente neste nível que milita a maioria dos espíritos que provocam endemoninhamento em pessoas.

Nenhum comentário: