AMIGOS DO BLOG VEJA E SINTA SEJA UM MEMBRO

12 de out de 2011

Bem Aventurados os Pobres de Espírito

Bem Aventurados os Pobres de Espírito
Durante o sermão da montanha, o mestre Jesus afirmou: “bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus.”
Ainda hoje muito se fala sobre tal ensinamento.
Eis que grande interesse desperta em todos os que tomaram conhecimento dos ensinos de Jesus.
No entanto, tal ensino, como tantos outros, resta ainda incompreendido pelos homens.
O que, afinal, o mestre pretendia proclamar?
Jesus proclama que Deus quer espíritos ricos de amor e pobres de orgulho.
Os espíritos ricos são aqueles que acumulam os tesouros que não se confundem com as riquezas da terra.
Seus bens não são jamais corroídos pelas traças, tampouco podem ser subtraídos pelos ladrões.
Os “pobres de espírito” são os que não têm orgulho.
São os humildes, que não se envaidecem pelo que sabem, e que nunca exibem o que têm.
A modéstia é o seu distintivo, porque os verdadeiros sábios são aqueles que têm idéia do quanto não sabem.
Por isso a humildade é considerada requisito indispensável para alcançar-se “o reino dos céus”.
Sem a humildade nenhuma virtude se mantém.
A humildade é o propulsor de todas as grandes ações em todas as esferas de atuação do homem.
Os humildes são simples no falar.
São sinceros e francos no agir.
Não fazem ostentação de saber, nem de santidade.
A humildade, tolerante em sua singeleza, compadece-se dos que pretendem afrontá-la com o seu orgulho.
Cala-se diante de palavras loucas.
Suporta a injustiça.
Vibra com a verdade.
A humildade respeita o homem não pelos seus haveres, mas por suas reais virtudes.
A pobreza de paixões e de vícios é a que deve amparar o viajor que busca sinceramente a perfeição.
Foi esta a pobreza que Jesus proclamou: a pobreza de sentimentos baixos, representada pelo desapego às glórias efêmeras, ao egoísmo e ao orgulho.
Há muitos pobres de bens terrenos que se julgam dignos “do reino dos céus”, mas que, no entanto, têm a alma endurecida e orgulhosa.
Repudiam a Jesus e se fecham nos redutos de uma fé que obscurece seus entendimentos e os afasta da verdade.
Não é a ignorância nem tampouco a miséria que garantem aos seres a felicidade prometida por Jesus.
O que nos encaminha para tal destino são os atos nobres, embasados na caridade e no amor incondicional.
Precisamos, também, adquirir conhecimentos que nos permitam alargar o plano da vida, em busca de horizontes mais vastos.
Pobres de espírito são os simples e nobres.
Não os orgulhosos e velhacos.
Pobres de espírito são os bons que sabem amar a Deus e ao próximo, tanto quanto amam a si próprios.
São aqueles que observam e vivem as leis de Deus.
Estudam com humildade.
Reconhecem o quanto ainda não sabem.
Imploram a Deus o amparo indispensável às suas almas.
Era a respeito desses homens que o Mestre Nazareno, em Suas bem-aventuranças, estava se referindo.
Muitos são os que confundem humildade com servilismo.
Ser humilde não significa aceitar desmandos e compactuar com equívocos.
Ser humilde é reconhecer as próprias limitações, buscando vencê-las, sem alarde, nem fantasias.
É buscar, incansavelmente, a verdade e o progresso pessoal, nas trilhas dos exemplos nobres e dignos.

"Quando o amor enche o coração, não deixa nele lugar para mais nada. Nem para o ódio, nem para o rancor, nem para o orgulho."

Nenhum comentário: