AMIGOS DO BLOG VEJA E SINTA SEJA UM MEMBRO

22 de out de 2011

RESSUREIÇÃO ,O QUE É ISSO?

OS  MISTÉRIOS  DO  CORPO  RESSURRETO.
 
 
“Eis que vos digo um mistério: nem todos dormiremos, mas transformados seremos todos, num momento, num abrir e fechar de olhos, ao ressoar da última trombeta. A trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados”. (1 Coríntios cap.15 vers.51,52).
 
Acreditamos que o corpo ressurreto será idêntico ao que baixou à sepultura, porém apresentará grandes mudanças em suas qualidades e em sua natureza. O fato de como exatamente será esse corpo é um mistério. Não é, pois, de admirar que não possamos compreendê-lo nem explicá-lo perfeitamente. Mas isso não abala a nossa fé, pois a realização da obra é atribuída à onipotência divina, “segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a si todas as coisas”.
 
Acreditamos que nem todas as partículas do corpo sepultado serão ressuscitadas, pois tal coisa não é necessária à identidade do corpo. As partículas do corpo se renovam. O nosso corpo hoje é o mesmo de há vinte anos, mas é provável que não haja nele nenhuma célula das que o compunham duas décadas atrás. Pela revelação contida nas Escrituras, corpos idênticos ressurgirão, mas a identidade do corpo não depende da união das partículas depositadas no túmulo. Nem todas as partículas materiais que compunham o nosso corpo e que foram depositadas no túmulo participarão obrigatoriamente da nossa ressurreição.
 
Uma breve consulta ao testemunho das Escrituras é suficiente para esclarecer o assunto. Quando se faz menção do corpo ressurreto de nosso Senhor, falamos dele como  realmente era. Sabemos que a morte não completou a obra de decomposição nele: o seu corpo orgânico permaneceu intacto. A glorificação de Jesus realizou-se sobre um corpo físico, e assim também a nossa se realizará. A diferença é que não seremos ressuscitados como Ele foi, para depois sermos glorificados: nosso corpo já “ressuscitará corpo espiritual”. Isso pode ser melhor analisado em (1 Coríntios cap.15 vers.44), que diz o seguinte: “Semeia-se corpo natural, ressuscita corpo espiritual. Se há corpo natural, há também corpo espiritual”.
 
 Outros exemplos que às vezes citados não têm aplicação alguma à questão de identidade. Alguns foram restituídos à vida terrestre pelo próprio Salvador, mas não servem como exemplo da ressurreição em geral. A única referência expressa ao assunto é (1 Coríntios cap.15), onde o apóstolo Paulo reprova a loucura dos incrédulos e serve-se do exemplo da semeadura não para resolver o mistério, mas para defender a dourina.
 
A ressurreição de nosso corpo, no entanto, apesar de confirmada pelas Escrituras, é para nós um fato do qual não temos a experiência, é um fenômeno não observado. Portanto, é impossível compreender agora as condições físicas da identidade de nosso “corpo espiritual” com relação ao nosso “corpo animal”, justamente porque não podemos observá-lo como fazem os cientistas com os demais fenômenos da natureza.
 
Nosso corpo ressurreto terá características espirituais jamais vistas pelos seres humanos. Contudo, podemos fazer algumas afirmações:
 
1) O corpo ressurreto será tão semelhante ao corpo com o qual morremos quanto este era semelhante ao corpo com que nascemos.
 
2) Cada alma terá o reconhecimento indubitábel e intuitivo de que o seu novo corpo é idêntico ao antigo.
 
3) Cada pessoa reconhecerá as características individuais da alma na expressão do novo corpo do outro.
 
Embora ensinem que manteremos a nossa identidade, as Escrituras claramente indicam que a mudança será grande, até o ponto de ultrapassar a nossa compreensão. Todas as afirmações que Paulo faz em (1 Coríntios) apontam para isso: a comparação entre a semente e o seu produto; a referência às diversas espécies de corpo, o contraste entre a fraqueza e o poder, a corrupção e a incorrupção, a vergonha e a glória, o corpo material e o espiritual, o terrestre e o celeste.   
 
O Senhor Jesus é claramente o modelo do novo corpo. Observe que (Filipenses cap.3 vers.21) diz o seguinte: “o qual transformará o nosso corpo de humilhação, para ser igual ao corpo da sua glória, segundo a eficácia do poder que ele tem de até subordinar a si todas as coisas”.  O Salvador foi reconhecido no corpo ressurreto porque era igual ao outro. Porém, pela narrativa dos evangélicos, fica evidente que uma grande mudança se realizou. O corpo está sujeito a grandes mudanças mesmo nesta vida, mas isso jamais prejudica a sua identidade.
 
Todo cristão deve morrer com a esperança de que um dia ressuscitará à semelhança de Cristo.  Seremos semelhantes a ele [Cristo]; porque assim como é o veremos". Observe o que diz (1 João cap.3 vers.2): “Amados, agora, somos filhos de Deus, e ainda não manifestou o que haveremos de ser. Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque haveremos de vê-lo como ele é”. 
 
O apóstolo Paulo ensina que o corpo ressurreto será espiritualizado. Mas que habilidades terão esse corpo, tanto em sua composição material quanto em sua essência imaterial ??? Isso está além de nossa compreensão “ainda não é manifesto o que havemos de ser”.
 
Sabemos, porém, que o novo corpo estará livre do cansaço, da dor, das lágrimas, e da morte. Jamais tornaremos a dizer: “Estou doente”.
 
 
Para terminar mais esta matéria de mensagem e estudo, vamos observar com atenção, duas passagens apresentadas no livro de Apocalipse:
 
“Jamais terão fome, nunca mais terão sede, não cairá sobre eles o sol, nem ardor algum”.  (Apocalipse cap.7 vers.16).
 
“E lhes enxugará dos olhos toda a lágrima, e a morte não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram”.  (Apocalipse cap.21 vers.4).
 
 

Nenhum comentário: